30/04/2015 - JOSE JORGE CANELLA Estou me sentindo uma pessoa muito Feliz!!!
E vou contar porque: Durante 30 anos, isso mesmo, 30 anos, tive vergonha de
sorrir, de mostrar meus dentes, que eram tortos e feios, e pior ainda, me impedia
movimentar a língua, o que acabava atrapalhando minha dicção.
Há 18 meses atrás, meu grande amigo Fabinho Panariello me convidou a fazer uma
avaliação Ortodôntica, sem compromisso, e aí pude entender, quanta vantagem
tem a saúde bucal. A partir daí decidí e coloquei o Aparelho Ortodôntico Damon
System, e o resultado foi muito melhor que o esperado não só esteticamente,
como também me devolveu a altoestima e hoje sorrio sem medo, sem
constrangimento e respiro muito melhor. Com isso levo a alegria de sorrir sempre
para minha querida esposa, Celeste, e aos meus amigos.
O que antes era constrangimento, hoje virou prazer.
Parabéns Equipe Dipanariello, pelo atendimento, e em especial ao meu grande
amigo Doctor Fabinho, EXCELENTE PROFISSIONAL!
16/04/2015 - ROSANGELA DE PAULA MARQUES As únicas palavras que descrevem o que eu estou sentindo hoje, após o final do
meu Tratamento Ortodôntico Damon System, é SATISFAÇÃO E FELICIDADE.
Vale muito a pena, investir neste Tratamento.
Quero agradecer a todos em geral, na Clínica Dipanariello, pelo atendimento e
atenção dispensados a mim.
Att.
Rosângela de Paula Marques
Leia outros depoimentos publicados por nossos clientes
Unidade São Paulo Telefone: (11) 2950-3711 R. Batista da Mata, 46 - Alto de Santana Unidade Vinhedo Telefone: (19) 3826-1934 R. Gumercindo Vieira Rocha, 325 - Jd. Flora
MASTIGAÇÃO X SAÚDE publicado em 20/12/2011
fonte VEJA SAUDE 1/8/2011
Mastigar cerca de 40 vezes antes de engolir a comida pode significar uma ingestão calórica 12% menor. Em uma pesquisa publicada no American Journal of Clinical Nutrition, cientistas descobriram que homens jovens que mastigam mais vezes têm níveis diferentes no sangue de dois hormônios relacionados ao apetite.

Para checar as diferenças entre mastigar 15 vezes (o usual) e as 40 vezes, pesquisadores da Universidade Médica Harbin, na China, ofereceram cafés da manhã tradicionais a 14 homens jovens obesos e a 16 homens jovens com peso normal. Foi observado, então, se a mastigação tinha influência nos níveis de açúcar, de insulina e de hormônios do apetite.

A equipe descobriu que existe uma relação entre quantas vezes o alimento é mastigado e o nível de hormônios que avisam ao cérebro quando é hora de começar e de parar de comer. Quanto mais vezes os homens mastigavam, menores eram os níveis de grelina, um hormônio responsável por estimular o apetite, e maiores os níveis de colecistocininca (abreviação CCK), hormônio que, acredita-se, reduz o apetite.

Segundo Shuran Wang, co-autora do estudo, não foi encontrada relação entre a mastigação e os níveis de açúcar e de insulina. Os pesquisadores alertaram ainda que, como o estudo foi feito com uma amostragem pequena de voluntários, não é possível prever como o hábito de mastigação prolongado irá afetar a ingestão de calorias de outros grupos de pessoas.

Perda de peso – De acordo com Adam Drewnowski, diretor do Centro de Pesquisa em Obesidade da Universidade de Washington, com a redução de 12% da ingestão calórica, é possível emagrecer cerca de 11 quilos em um ano. Mas, como a dieta usual inclui alimentos não mastigáveis, como sopas e sorvetes, essa perda calórica real poderá ser bem menor. “Não estou certo de que esta é uma medida de prevenção da obesidade viável', disse Drewnowski.
Leia as Últimas Notícias
Dipanariello Odontologia - 2017 - Todos os direitos reservados
Desenvolvido pela MVM Design